A Adega Muf’s trabalha com os mais conceituados revendedores de bebidas em Curitiba. Confira nosso catálogo de produtos e solicite seu orçamento.

Categorias

Indústria Miolo: tudo sobre a história da marca + drinks deliciosos

Indústria Miolo: tudo sobre a história da marca + drinks deliciosos

A indústria Miolo faz parte do dia a dia de muitas famílias e principalmente de comemorações, como ocasiões especiais. Conheça os principais produtos disponíveis pela distribuidora, bem como as receitas de maior destaque para fazer em seus melhores momentos e eventos!

História da Indústria Miolo

A história da indústria Miolo tem início no Brasil, na época de 1897. Dentre os muitos imigrantes de origem italiana que vieram para cá, buscando novas oportunidades de trabalho, encontrava-se Giusepp Miolo.

Este era um rapaz com muita determinação e paixão pelo vinho, pela uva, além disso todos os trâmites que envolviam a produção. Ele veio de Vêneto, da região de Piombino Dese, no Vêneto.

Ao se instalar no país brasileiro, Giuseppe foi para Bento Gonçalves, uma cidade que estava sendo formada pela imigração italiana. Então, ele fez a entrega de todas as suas economias em troca de um pedaço de terra na região do Vale dos Vinhedos, que se chamava Lote 43.

No ano de 1897, o imigrante deu início a plantação de uvas, começando a tradição vitícola dos familiares no país.

Nessa década, os familiares foram os pioneiros na plantação de uvas finas, dessa forma proporcionando aos netos Darcy, Giuseppe Miolo, Antônio e Paulo, a fama da área em razão da qualidade das uvas.

Ao fim da década de 80, ocorreu uma grande crise que acabou atingindo as cantinas e tornando mais difícil o comércio de uvas finas.

Desse modo, forçou a família à produção do próprio vinho, em 1989, para vender a granel em outros comércios vinícolas. Foi aí, então, que surgiu a Vinícola Miolo, com somente 30 hectares de vinhedos.

Primeira Garrafa com Assinatura da Família

No ano de 1992, a primeira garrafa que teve assinatura pela família corresponde a um Merlot de safra datada em 1990, com a produção de 8 mil garrafas em início. No ano de 1994, houve o lançamento do Miolo Seleção, que se tornou o vinho com maior distribuição da empresa.

Assim, toda a paixão pela arte da vitivinicultura e a vontade de expandir o vinho fino do Brasil para outros lugares fez com que a família e indústria Miolo encontrasse inspiração e ampliassem os negócios.

No ano de 1998, então, nasce o Projeto Qualidade. Desde essa época, houve um aumento significativo da empresa, que começou, então, a investir constantemente em tecnologia, terra, recursos humanos e consumidor, gerando o Projeto de Expressão do Terroir Brasileiro.

Já no ano de 2009, a família e indústria Miolo, em conjunto com os Benedetti e Randon, adquiriram a Vinícola Almadén, que pertence a Pernod Ricard.

Produtos e Receitas

Dentre os principais produtos disponíveis pela Miolo, podemos citar as bebidas que mais se destacam nas comemorações e ocasiões especiais de muitas famílias. Veja, a seguir, quais são e as melhores dicas para consumir os produtos Miolo!

  • Terranova Demi Seco;
  • Miolo Seleção Rose;
  • Miolo Seleção Branco;
  • Grappa Miolo;
  • Almadén Rose Suave;
  • Almadén Riesling;
  • Almaden Carbernet Suave;
  • Vinho Almaden Vintage.

Dicas para consumir os vinhos Miolo como um profissional

A seguir, veja os fundamentos da técnica de degustação utilizada pelos profissionais, utilizando os nossos diferentes sentidos em três fases: visão, olfato e paladar.

Passo 1 – O olho: provar é olhar para o seu copo de vinho

Atenção, revelação: provar um vinho não é só prová-lo! A cor do vinho, ou seja, sua cor e aparência, já dá uma indicação da natureza e qualidade do vinho que você está prestes a provar.

Questão técnica, nada complicado, observe o vinho com um fundo branco que permitirá retranscrever fielmente a sua cor. Incline levemente o copo (daí o interesse de não o encher até a borda), então, com o braço estendido na horizontal, e reserve um tempo para observar a “cor do vinho”.

É bom olhar para o vinho, mas o que devo deduzir disso?

A cor como tal não é uma indicação da qualidade do vinho. Embora a riqueza de uma cor escura para um vinho tinto possa ser impressionante, o sabor não é necessariamente melhor. Por outro lado, a intensidade desta cor, o brilho do disco (ou seja, a facilidade com que a superfície do vinho reflete a cor do vinho) e a intensidade da cor do vinho nem sempre são iguais.

O vinho ( ou seja, a superfície do disco (ou seja, a facilidade com que a luz pode penetrá-lo), bem como a clareza (é o vinho cristalino / transparente ou, pelo contrário, turvo e opaco) são indicadores da boa qualidade sanitária do vinho.

Outra característica do vinho que pode ser percebida através do exame visual é a sua “viscosidade”. A viscosidade é observada girando o vinho na taça para alargar o disco formado na superfície.

O vinho, à medida que gira, será fluido ou, ao contrário, espesso e gordo. E quanto mais espesso o vinho tiver uma textura grossa, mais podemos deduzir que ele contém álcool e açúcar (ou assimilados) em quantidade. Na realidade, a menos que você esteja particularmente procurando um vinho alcoólico, a viscosidade não permite deduzir o nível de qualidade de um vinho.

Passo 2 – O nariz: mergulhe o nariz e lembre-se…

Cheirar um vinho é uma prévia do sabor do vinho da indústria Miolo, não apenas o sabor atual, mas o sabor futuro do vinho. Em seguida, depois de se acostumar a descascar o nariz do vinho, verá que essa dimensão olfativa se tornará cada vez mais importante.

Sinta o cheiro do vinho sem mexer, esse é o primeiro nariz. O vinho é fechado (não se sente o cheiro), é discreto ou aberto? Se estiver fechado, você pode decantá-lo para abri-lo. Então, vire o vinho e cheire, é o segundo nariz. Feche seus olhos. O que você sente?

E se eu não conseguir reconhecer os aromas do vinho?

Os aromas evocam memórias enterradas bem no fundo – deixe os aromas transportarem você. Não tenha medo das associações de ideias provocadas por estes aromas, mesmo os mais inusitados. Cada aroma fala de maneira diferente para cada um de nós. Onde alguns perceberão a amêndoa, outros entretanto, pensarão na cola da escola primária de sua infância.

Qualquer que seja! O importante é colocar palavras sobre as sensações e depois descrever o vinho, explicar porque gosta (ou não) e conseguir lembrar de uma forma mais precisa do que “Ah foi um bom vinho ontem!” Com hábito e experiência, você será capaz de reconhecer e categorizar os aromas e ainda mais precisamente citando o aroma preciso.

Um grande vinho tem frequentemente um nariz complexo e atrevido, ou seja, encontrará muitos aromas diferentes (ou famílias de aromas) mantendo uma grande precisão desses aromas.

Passo 3 – A boca: as diferentes dimensões do meu vinho estão bem equilibradas?

Pequeno ponto sobre cuspir: como sabem, os profissionais que provam muitos vinhos seguidos cospem-os para manter o paladar e as ideias claras. Se você é novo na degustação, pode achar difícil perceber o vinho se cuspi-lo completamente; pelo menos você pode sentir que não está desfrutando totalmente de toda a extensão do vinho e de seu comprimento na boca.

Isso é perfeitamente normal. Aprender a provar o vinho da indústria Miolo não é algo que acontece da noite para o dia e aprender a cuspi-lo faz parte desse processo de aprendizagem. Comece engolindo alguns goles e cuspindo mais e, à medida que avança, em seguida será capaz de cuspir mais e mais.

Miolo está na Adega Muf’s!

A indústria Miolo é uma das distribuidoras presentes na Adega Muf’s. Visite nossa loja e garanta os melhores produtos para suas melhores ocasiões.

Beba com responsabilidade. A venda de bebidas alcoólicas é proibida para menores de 18 anos.
Dirigir sob a influência de álcool configura delito, passível de sanção penal.
Imagens meramente ilustrativas.